quarta-feira, 31 de agosto de 2011

 

                                      Agenda de lançamentos na Bienal do RJ    
                                      Eu escritora Giullian Telles sou                                                                                                     
                                                                                  
 

data
horario
autor
livro




03 de setembro
19:30
Diva Pavesi
Rio- Carnaval-
Social- clube


10 de setembro
10:00 ás
11:00
Abantesma
Nivea Sabino
10 de setembro
14:00 ás 15:00
Tarcisio Fagundes

10 de setembro
15:00 ás 16:00 horas
Alcina Morais
Olho dàgua
10 de setembro
16:30 ás 18:30
Maria da Conceição Santos
Parece que foi ontem
10 de setembro
18:00Giullian Telles e autores diversos
Papo Cabeça
10 de setembro
Livre para troca


10 de setembro
19:30 ás 20:30
Maria Araujo
Edifício Seabra



10 de setembro
21:00 ás 22 :00
Jeux de monts
Jô Mendonça
11 de setembro
9:00 horas
Heitor flexter o menino herói e o regresso de atlantida
Izabelle valladares
11 de setembro
10:00 ás 11:00
J.C .Bridon
Coração a porta da compreensão
11 de setembro
11:00 ás 12:00
Arlete Trentini
Histórias da vovó arlete
11 de setembro
14:00 ás 15:00
Giullian Telles
e autores     diversos
Historias
para vc
dormir 2
11 de setembro
15:00 ás 16:00
Historias de uma não vida
Alessandro silva
11 de setembro
16:00 ás 17:00
Silvia Ferreira
Lima
2 livros
Comunicação e expressão através dos textos
galáxias





Lançamentos no stand All print

Dia 10 de setembro

18:00 horas- Lançamento "Papo Cabeça"
19:00 horas - Lançamento " Cordéis encantados, contos incríveis e poesias inesquecíveis"
20:00 horas- Lançamento "Quem disse que só fazemos amor ? 2

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

RIO DAS MORTES

Conheço desde criança as tuas margens.
As noites à luz de estrelas e pirilampos
Ficavam aterrorizantes com as viagens
Fantasiosas à beira de campos indígenas.

Os xavantes, que andavam várias léguas,
Transpunham-te a fim de ganharem frangos...
As matrinchãs que subiam as tuas águas
Alegraram as folgas de tantos domingos...

Quando te conheci já haviam te cortado
Numa mão única de concreto exuberante.
Mas ainda era desconhecido nestes lados
Industrializados que só enxergam montantes.

Ontem a tua beleza se anunciou pelos cantos.
Numa fantástica surpresa pude ver a Cachoeira,
E relembrar muitos de teus saudosos encantos
Capazes de livrarem meus olhos da poeira.

(Wesley Rezende)

domingo, 28 de agosto de 2011

Feira do livro infantil e infanto-juvenil de Cabo Frio


A LITERARTE (ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE ESCRITORES E ARTISTAS) CONVIDA PARA A FEIRA DO LIVRO INFANTIL E INFANTO JUVENIL DE CABO FRIO, NA SEMANA DAS CRIANÇAS EM OUTUBRO.
A ENTRADA É FRANCA E AS ESCOLAS DEVEM SOLICITAR FICHA DE CREDENCIAMENTO.
 PRESENÇA CONFIRMADA DE DIVERSOS AUTORES, VENDA DE LIVROS, SORTEIOS, ATIVIDADES LÚDICAS E OFICINAS DE ARTES, REDE ESCOLAR GANHA CUPOM DESCONTO DE 20% PARA TODOS OS LIVROS DA FEIRA.
ESCRITORES INTERESSADOS EM LANÇAMENTOS E PALESTRAS DEVEM ENTRAR EM CONTATO PELO EMAILVALLADARESBOOKS@YAHOO.COM.BR


CONTOS QUE CONTO... MINHAS ASAS

 

Contos que Conto ...Minhas Asas

Nem sempre meus dias são tão claros ou as noites estreladas, num profundo céu aberto e limpo, nem sempre. Há o dia em que meus olhos não abrem, meu pensamento se cala, minhas mãos se fecham, afim de um murro breve. Uma borboleta vem me ver pelas manhãs cinzas, seria ela minha mágica? Meu despertar desesperador? Ela aparece colorida como sempre, com seu bater de asas suaves, no seu ziguezaguear ao redor da varanda. Nem sempre estou à toa sentimentalmente, nem com aquele sorriso largo que trouxe da juventude, tampouco com aquele rebolado em frente ao fogão, nas tantas tentativas vãs de se preparar panquecas, nem sempre estou assim, de bem com a vida. As noites sempre são solitárias, o vento do lado de fora sempre sopra fraco, quase parecendo sussurrar um certo medo ao meu ouvido, sem falar nos ecos fartos do quarto, sem censura, fico trêmula, muda e pálida. Nem sempre sou assim tão triste e acho que “A tristeza é a pior coisa que existe”. Hoje resolvi então compor um samba... ”É preciso um bocado de tristeza”, como já dizia o mestre. E a tristeza grita tão desencadeada aqui dentro do peito, sem pudor, sem melodia certa ou letra correta, tampouco rimas exatas, porque é assim mesmo que se faz música. Apesar desta mulher silenciosa aqui dentro, de manhãs incertas. Se não fosse por aquela borboleta colorida em dias estranhos, esta fêmea encabulada que mora em mim já tinha partido, estaria morta, estaria sendo lembrada numa canção morna. Nem sempre meus dias são realmente dias. Meu passado está pronto no refrão, as experiências, tolices pobres que me compõe inteiramente. O suficiente está no papel, o que sobra, estes restantes de mim, as marcas impagáveis, agora são lembranças, meras cicatrizes, e também um simples doce, um doce suave na boca, sabor que não pode mais ser tragado. Completo meu voo, nestas incógnitas construídas por mim mesma, me jogo no calabouço das mentiras, das minhas próprias mentiras e viro notícia, sucesso absoluto, reflexiva nos corpos juvenis que rebolam sem vergonha alguma por aí nos bailes de máscaras. A borboleta hoje cedo não veio me ver. Estou nela, com lindas asas transparentes. Meu samba? Deixo aí em algum dia incomum, sussurrando na varanda de mais um corpo aflito, de mais um pensamento absurdo e frenético. Onde estou poderei recomeçar.

Por Sulla Mino

sábado, 27 de agosto de 2011

Lançamento do livro " Xadrez " Fabiane Ribeiro - Livraria Nobel - Atibaia

Lançamento do livro " Xadrez " Fabiane Ribeiro - Livraria Nobel - Atibaia

 Neste sábado, dia 27 de agosto, prestigiei a escritora Fabiane Ribeiro , no lançamento de seu livro "Xadrez", na Livraria Nobel, em Atibaia.

 
               Lançamento do livro " Xadrez" - Fabiane Ribeiro

Livraria Nobel
  
Livraroa Nobel - Atibaia
Lançamento
Fabiane Ribeiro e sua mãe    

Merari Tavares e mãe da escritora Fabiane
Autógrafos
Fabiane e sua mãe
Autora do livro
Escritora Merari Tavares e Osni Dias - jornalista
Escritora Merari Tavares e Marta - jornalista


Merari e Marta
Merari Tavares e Rosana - Nobel
Osni Dias, Merari Tavares e Fabiane Ribeiro
Escritoras: Merari Tavares e Fabiane Ribeiro
Merari, Fabiane e Osni

TUMOR CULTURAL DE RODRIGO POETA

*Tela de título "Tumor" de Zel Humor.




TUMOR CULTURAL

          Nota-se que no Séc. XXI a existência de um grande tumor cultural, que está fazendo a cultura se perder entre os sete pecados de Dante. Os pecados culturais do século XXI são:
as antologias, as academias, as igrejas, as editoras, os pseudos-artistas, a mídia e enfim o plágio.
         A antologia nasceu na Grécia Antiga pelas mãos do poeta Meleagro de Gadara. Um poeta que reuniu em uma antologia os versos dos grandes poetas de seu tempo. Hoje com advento da internet, as antologias ganharam força e novas editoras nasceram, mas trabalhando boa parte delas de maneira escusa e sem critério, ou seja, se tornando mercadoras de sonhos para pseudos-poetas.
        Qualquer um participa de uma antologia, sem ao menos saber o que significa o termo poesia. Basta escrever umas linhas e participar de certas antologias, onde o critério para participar é o dinheiro e não a qualidade literária, já se denomina poeta.
        Este é o primeiro vírus a atacar de forma maciça e a prejudicar o nascimento de verdadeiros talentos da poesia. O remédio para combater este mal é a Crítica Literária, que está em ostracismo total neste paradigma cultural.
        Vive-se um caos feito pelas igrejas que nascem a torto e direito no mundo contra a cultura de raiz, boa parte delas denominam o que é folclore de pecado ou coisa pior como manifestação do demônio. Este pecado já chegou, nas escolas, que deveriam ser laicas, mas seguem a cartilha mobral em fazer com que a cultura seja odiada ou levada ao preconceito total. É assim que manifestações culturais de etnias diferentes sofrem ao tentar desenvolver ou até dar continuidade à raiz cultural de nossa história.
        As editoras estão ligadas à mídia, dois pecados em um só. Editoras novas vivem da promiscuidade, sem critério, sem avaliação, sem revisão textual, mas com um só dever serem mercadoras de sonhos. Sonhos que são meramente ilusões, quando se percebe o que é real e o que é ficção.
       A moda agora é ser pseudo-artista, nasce com a velocidade da luz, pseudos-poetas, pseudos-artistas plásticos, pseudos-artistas de várias ramificações da cultura doente. Pseudos-artistas que encontraram uma brecha para estarem entre a mídia e artistas em fim de carreira, que foram esquecidos pelo abismo cultural mundial.
       Um abismo que mostra, para ser artista não precisa ser artista, basta ter conhecimento, dinheiro, que terá a mídia.
       Plagiar está na moda, um vírus que está mutante entre as artes no século atual. Uns chamam em copiar, outros em clonar, mas o que é de falto é plagiar. Os pseudos-artistas adoram conjugar este verbo, se Fernando Pessoa estive aqui não diria mais que o poeta é um fingidor, mas sim um plagiador de pseudos-versos de uma pseudo-poesia feita por um ser pseudo-poeta.
       O último vírus ou bactéria são as academias. Nascem do nada, possuem ideologias evasivas, vivem entre a dependência política e não seguem nenhum critério. Boa parte delas vendem sonhos como medalhas, falsos títulos de nobreza, pelerines e becas, tudo em favor ao glamour para satisfazer pseudos-artistas e muitos artistas de verdade que caem neste abismo, pensando que é a única forma de sobreviver na mídia.
      Charles Darwin diz: “Não é o mais forte, que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças.”
       Desta forma, deve-se ter dentro deste tumor cultural em que apresenta-se a cultura uma solução após o caos ou sonhar, pois existem ainda entidades sérias, poetas e artistas de verdade, que fazem da Cultura sua cachaça, sua vida de maneira simples ou complexa, mas no prazer de criar arte.
      Então não se assustem se comediantes políticos e políticos corruptos ganharem uma medalha da pioneira academia da Terra Brasílis.
      Fica o pensamento latino para reflexão: “Est modus in rebus” (Há um limite entre todas as coisas).


Rodrigo Octavio Pereira de Andrade (Rodrigo Poeta)
*Poeta.
*Professor de Língua Portuguesa, Literatura e Téc. de Redação.
*Palestrante.
*Ministra oficinas voltadas para Valores Humanos, Ética & Cidadania, Poesia, Literatura Regional e etc.
*Pesquisador sobre cultura local.
*Ativista cultural.
*Membro da Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo/RJ.
*Membro da Academia de Artes de Cabo Frio/RJ.
*Membro Correspondente da Academia de Artes, Ciências e Letras de Iguaba Grande/RJ.
*Cônsul pelos Poetas Del mundo em Cabo Frio/RJ (entidade do Chile).
*Conselheiro Islâmico de Assuntos Shiita do Centro Estudantil Árabe Iman Ali de São Paulo/SP.
*Conselheiro de Assuntos Sociais e Culturais Afro-Brasileiro pela FTABH de São Paulo/SP (Faculdade de Teologia Afro Brasileira e Holística Livre).
*Membro da Academia de Letras e Artes da Região dos Lagos/RJ.
*Membro Correspondente da Academia Barramendense de Letras de Barra do Mendes/BA.
*Membro Correspondente da Academia Itapirense de Letras de Itapira/SP.
*Membro Correspondente da Academia de Ciências, Letras e Artes de Minas Gerais – Sede Manhuaçu/MG.


BEM-VINDOS

O BLOG ORGULHA-SE DA QUALIDADE DE SEUS COLABORADORES, CONTANDO, AGORA, COM OS POETAS ALEX FEITOSA E RODRIGO POETA.

AVISO

Agora é a hora da tua folga.
Vai! Vai pra tua casa...
Agora que é a hora certa
De se dar ao luxo de perder tempo
Rabiscando alguns versos
Sem sentimentos.

O tempo do proletariado
É ocupado com trabalho.
Mas também, infelizmente,
Com o cumprimento
De alguns detalhes da lei.

Então vai...
Vai se fazer inútil
Nesse momento inútil.

Você tem duas horas
Pra escrever poesias.

(Wesley Rezende)